Início » Carros » Toyota C-HR 2017: Análise, motorização e lançamento

Toyota C-HR 2017: Análise, motorização e lançamento

O sucesso global de SUVs intermediário e pequenos não passa desapercebido por nenhuma montadora – e o Toyota C-HR 2017 é a demonstração da montadora japonesa disso. Especialmente no caso brasileiro, o lançamento vai ter alvo e guerra já declarados: bater a HR-V da conterrânea.

Com o conceito ousado já apresentado há algum tempo e em fase de testas na Europa, o lançamento no mercado global deve estar próximo. Por aqui, as datas ainda são incertas, mas a chegada é quase uma certeza.

Dependendo de sua proximidade com o conceito e a aceitação no mercado, o lançamento do Toyota C-HR 2017 pode dar início à nova competição Corolla-Civic nacional. Saiba o que esperar do modelo, e o que já é confirmado sobre ele:

Toyota C-HR 2017
Toyota C-HR 2017

Competição para o HR-V

No Brasil, a intenção do Toyota C-HR 2017 não poderia ser mais clara. O sucesso do Honda HR-V é um alvo que a Toyota busca atingir. Para isso, é necessário ser mais moderno e interessante do que o SUV leve que vendeu tão bem.

A depender do conceito apresentado em Frankfurt, a briga será boa. Seu design chega a ser confuso, no que diz respeito à modernização. Com a redução futurista que ocorrerá entre o conceito e o modelo de rua, espera-se um tipo de novidade que remonta à coragem do Prius.

Plataforma global

Segundo as indicações estabelecidas pelo conceito, o Toyota C-HR pode estrear a plataforma TNGA (Toyota New Global Architecture). É a nova arquitetura da montadora japonesa, que promete garantir mais agilidade e economia na montagem de veículos.

Toyota C-HR 2017 interior

A ideia é utilizar uma estrutura que possa ser base para diversos modelos, a ponto de oferecer economias de até 20%. Fala-se em metade dos modelos da Toyota utilizando a TNGA até 2020, globalmente falando.

Design ousado

O que mais chama a atenção no conceito é, certamente, seu design. Anguloso e surpreendentemente esportivo um SUV, as linhas impressionam. Segundo os comentários da mídia internacional, há quem veja uma certa inspiração até mesmo em “batmóveis”.

Evidentemente, há uma tradicional redução na ousadia entre o conceito e o carro de rua. A verdade, no entanto, é que as linhas gerais do veículo já estão dadas, e elas impressionam bastante.

Motor híbrido à vista

Embora a motorização e as versões disponíveis ainda não tenham sido discutidas pela montadora com a imprensa, alguns planos são conhecidos. Sabe-se que o Toyota C-HR pretende introduzir uma versão híbrida para o mercado.

A parte mais empolgante é que se há uma montadora capaz de executar o plano com sucesso, é a Toyota. Com a boa experiência do Prius, o Toyota C-HR pode herdar a preocupação ecológica e ser (ao menos no Brasil), o primeiro híbrido da categoria.

Produção global com data marcada – vendas incertas

No mercado europeu, o lançamento oficial do Toyota C-HR já tem data marcada: março de 2017. A ideia é que, em seguida, as vendas já comecem a ser realizadas. Por isso, já foram realizados alguns flagras do modelo em ruas espanholas, indicando que a data deva ser cumprida.

As vendas em larga escala e, especialmente, as vendas brasileiras, ainda não são confirmadas. Após a introdução no mercado europeu, os planos ainda não foram divulgados ou suficientemente especulados.

Fabricação brasileira é possível

Os principais comentários na mídia brasileira a respeito da chegada do Toyota C-HR 2017 por aqui, diz respeito à fabricação. Considerando a importância do segmento no mercado, há grandes chances de fabricação nacional do modelo.

Isso ocorre em função da necessidade de competitividade. A Toyota terá um trabalho duro o bastante para bater o HR-V, e ter um preço adequado é essencial para a tentativa. Por isso, depender de variações cambiais e mudanças de impostos é extremamente arriscado.

A tendência é que o início das vendas seja feito com importações, para testar o mercado. Se os números forem promissores, é possível esperar um Toyota C-HR nacional em breve.

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas