Início » Carros » Vale a pena contratar seguro para carro?

Vale a pena contratar seguro para carro?

A decisão de contratar ou não o seguro de um carro é muito pessoal, e depende diretamente do quanto o proprietário do bem está disposto a arriscar.

Hoje, eu trago um conteúdo especial para você que ainda não adquiriu o serviço e anda cheio de cuidados com o possante para que nada aconteça até tomar uma decisão…Vamos lá!

Geralmente, o que se paga é a sensação de tranquilidade, pois o medo de perder o dinheiro investido no automóvel é uma constante que tira o sono de muita gente.

Mas será que vale a pena contratar seguro para carro? Será que diante de um seguro caro demais, acima de 30% do valor do veículo, não seria melhor aplicar o montante que seria investido na proteção?

O que levar em conta ao pensar na contratação de um seguro veicular

Avalie o risco que está disposto a correr

Se o seguro passar de 30% do valor do carro, em três anos praticamente você consegue pagar outro automóvel.

Uma alternativa seria fazer uma aplicação como dinheiro e, simplesmente, arriscar, ficar sem seguro.

E mais: se depois de colocar tudo na ponta do lápis, perceber que o seguro é muito caro, mas você prefere o conforto psicológico de saber que seu carro está protegido, então vá em frente.

Analise a importância do bem

Se o carro for essencial para o seu trabalho, por exemplo, mesmo que esteja disposto a correr risco, não contratar o serviço de uma seguradora pode ser uma má ideia.

Ou seja, a decisão depende do quanto o proprietário depende do veículo, principalmente quando não se tem dinheiro extra para comprar outro logo de cara.

Assim, mesmo que o preço do seguro seja salgado, ele pode compensar.

Leve em conta o custo do seguro e o retorno que ele pode trazer em caso de sinistro

Seguro muito caro à primeira vista pode, no final das contas, sair mais barato – especialmente se o carro tem valor de aquisição extremamente alto.

Um jeito simples de entender como tudo isso funciona é pensar que um seguro justo seria de, no máximo, 10% a 15% do valor do veículo.

Se ele passa dos 20% ou 30%, é melhor pensar bastante; já as taxas acima de 40% ou 50% do valor do carro são inviáveis.

Mas tem um detalhe: no caso dos automóveis de luxo, é preciso considerar os acidentes e colisões. Uma lanterna nova da Porshe ou BMW pode custar cerca de R$20 mil. Ou seja, é preciso levar em conta não “apenas” o risco de roubo.

Considere a possibilidade de contratar um seguro contra terceiros

Ok, você resolveu não fazer o tal seguro do carro, já que as chances de roubo dele são mínimas ou porque o preço do serviço é impraticável.

Mas o que dizer dos danos causados a terceiros, que podem ser extremamente caros? Lembre-se que o risco não se limita ao prejuízo com danos ou à perda do seu patrimônio.

Portanto, reflita se não vale a pena adquirir um seguro de responsabilidade civil, ou seguro contra terceiros, mesmo que não faça a proteção completa.

A decisão agora é com você. Uma dica importante também é, caso opte pela compra de seguro, fazer isso apenas por meio de um corretor ligado a uma empresa ou afiliado a algum banco. E consultar várias seguradoras, pesquisar antes de assinar a papelada.

Boa sorte, e até breve!

Carros 2018: Confira os principais lançamentos

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas