Início » Todos os posts » Carros » Tipos de freio: como cada um funciona?

Tipos de freio: como cada um funciona?

Parte essencial de qualquer ficha técnica de carros, os diferentes tipos de freio influenciam bastante na dirigibilidade do seu veículo, no tipo de segurança que você terá com eles e, também, no custo e no valor de mercado de um veículo.

De maneira geral, todos os freios funcionam a partir de sistemas muito semelhantes, ao menos no que diz respeito ao comando de frenagem. Tudo funciona através de pistões que transmitem o comando para frear através do acionamento de fluidos, que são os responsáveis por acionar mecanicamente os dispositivos que, literalmente, seguram a rotação das rodas aos poucos, com a intenção de parar o veículo.

Tipos de freio

Freios a disco e a tambor são os mais comuns, e o sistema ABS – antitravamento – é cada vez mais presente nos modelos, garantindo melhor segurança. Além disso, o freio de estacionamento é outro sistema que vale a pena de ser entendido, garantindo que você saiba exatamente o que faz com que seu carro fique parado, quando estacionado em uma inclinação.

Confira como funcionam estes tipos de freio e diferentes sistemas:

Freios a tambor

O freio a tambor é, entre os tipos de freio, considerado o mais ultrapassado, atualmente. Ele consiste em um tambor acoplado às rodas que é parado por calços – ou lonas – ativados hidraulicamente, causando pressão contra o tambor e – consequentemente – contra as rodas.

A fricção causada entre a lona e a superfície do tambor fazem com que o carro pare, ou o deixam impedido de se movimentar. Ainda hoje, alguns carros mais acessíveis são equipados com freios a tambor em um dos eixos, com o objetivo de reduzir custos.

Freios a disco

Os freios a disco são aqueles que utilizam as famosas pastilhas de freio. O sistema de frenagem é bastante parecido com os freios a tambor: as pastilhas comprimem um disco que é ligado à roda, fazendo-a parar na medida em que a fricção é realizada hidraulicamente pelas pastilhas.

A vantagem é que o material é mais resistente e mais eficiente que o antigo tambor. Carros esportivos ou de alta performance podem contar com discos de cerâmica, que aguentam muito mais calor (portanto, oferecem melhor desempenho durante a fricção).

Sistema ABS (antitravamento)

ABS significa Anti-lock Braking System, inglês para Sistema de frenagem antitravamento. Portanto, o equipamento não é o sistema de freios por si, mas uma tecnologia computadorizada, que garante mais segurança e eficiência para o veículo.

O sistema detecta a forma como a frenagem é aplicada sobre as quatro rodas, identificando qualquer tipo de descompasso ou travamento, que podem fazer o veículo derrapar ou ter algum tipo de problema enquanto freia.

Dessa forma, o carro consegue parar mais rapidamente, com risco reduzido de sofrer algum acidente quando a frenagem é brusca. Ao ser combinado com outros tipos de freio, o sistema ABS torna-se especialmente importante em alta velocidade ou em estradas molhadas e escorregadias.

Freio de estacionamento

O freio de estacionamento, também chamado de freio mecânico ou de emergência, é aquele que ativamos no momento de estacionar. Ele é considerado uma espécie de sistema secundário de freios, e é totalmente independente dos sistemas principais.

Em resumo, trata-se de um sistema de cabos de aço ativados pela alavanca. Quando a alavanca é puxada, os cabos travam completamente as rodas traseiras, de forma que fiquem presas até a alavanca ser desativada.

Atualmente, este tipo de freio é diretamente associado com a ideia de estacionamento, uma vez que os sistemas principais são mais seguros que no passado. Antigamente, no entanto, o condutor poderia recorrer ao freio de emergência, que não utilizava o mesmo sistema hidráulico principal, em casos de falha ou de descontrole durante a condução do veículo.

Carros 2019: Confira os principais lançamentos

Recurso de multas