Início » Leis de trânsito » Simulador de direção: como funciona?

Simulador de direção: como funciona?

Depois de muitas polêmicas em torno do assunto, a adoção do simulador de direção como etapa obrigatória para retirar a Carteira Nacional de Habilitação na categoria B foi consolidada, tornando-se impossível “fugir” dos simuladores para adquirir a documentação.

Longe de toda polêmica do assunto, é necessário admitir que existem fatores positivos e negativos para a adoção do simulador, que envolvem desde as mudanças de custos, até a questão da confiança e segurança no trânsito.

Simulador de direção

Saiba mais sobre o assunto e entenda o que é o simulador de direção, como ele participa da formação dos novos condutores, e de que maneira o simulador de direção funciona:

O que é o simulador de direção do Detran?

A forma mais simples de entender o que é o simulador de direção é compreendê-lo como um videogame realista ao extremo. Com telas adicionais que envolvem o aluno como se fosse em um carro real, bancos de carro, cinto de segurança e todo aparato de um carro comum, o aluno faz exatamente as mesmas coisas que faria dentro de um veículo real.

A diferença, é claro, é que não é necessário sair para a rua de verdade, retirando a pressão psicológica e os eventuais riscos de estar em contato direto com o trânsito logo na primeira aula. No simulador, é possível aprender o básico para, só então, participar do trânsito real.

O simulador de direção é obrigatório?

Sim, atualmente a legislação exige que ao menos cinco aulas de trinta minutos sejam feitas durante a formação do condutor que queira a categoria B da CNH. A primeira decisão para os simuladores ocorreu em 2014, mas só em 2016 que a normativa virou verdadeiramente obrigatória.

O simulador, no entanto, não é mais uma etapa de aprovação. Trata-se apenas de uma adição de cinco aulas, que permite que o novo condutor treine em diferentes situações sem estar em risco. Não é possível reprovar nas aulas de simulação, por exemplo.

Quais categorias utilizam o simulador de direção?

Apenas quem quer conduzir carros de passeio será obrigado a realizar aulas no simulador. Aqueles que pretendem tirar apenas a categoria A, por exemplo, não precisam do aparelho. Quem já está habilitado na categoria e pretende obter outros tipos de autorização, também não precisará passar pelas aulas simuladas, uma vez que se entende que essa pessoa já tenha experiência real de trânsito.

Quais as vantagens do simulador de direção?

Entre as principais vantagens do equipamento, pode-se apontar:

  • Reduz a pressão do aprendizado: muitas vezes, sair diretamente no trânsito nas primeiras aulas, sem saber dirigir direito, é uma pressão psicológica muito grande. Os simuladores permitem mais confiança para quem quer aprender do zero;
  • Treinamento em várias situações: dirigir na chuva, no escuro e na neblina, por exemplo, nem sempre é possível para quem está tirando a habilitação em um prazo curto. O simulador permite criar essa situação por computador, com todos os efeitos tipicamente associados, como mudanças na visibilidade e na frenagem.
  • Mais segurança nas ruas: não precisar sair no trânsito logo nas primeiras experiências garante mais segurança para novos condutores e para as pessoas que estão nas ruas.

E quais as desvantagens?

Pode-se apontar uma desvantagem principal para o simulador de direção: o custo da habilitação, que se tornou mais alto com a adição. O valor que já era alto foi reajustado em mais de 10% na maior parte dos DETRANs do Brasil, demonstrando o efeito colateral de se desenvolver novas tecnologias em um sistema reconhecidamente caro e pouco eficiente.

De qualquer forma, o uso dos simuladores é obrigatório, e pouco pode ser efeito quanto a isso. A dica, portanto, é aproveitar ao máximo possível as suas possibilidades, tentando elevar seu aprendizado ao máximo com a tecnologia.

Carros 2018: Confira os principais lançamentos

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas