Início » Todos os posts » Mercado » Reciclagem de carros cresce exponencialmente no Brasil

Reciclagem de carros cresce exponencialmente no Brasil

Enquanto em outros países como os Estados Unidos é comum jogar carros inteiros no lixo, aqui no Brasil muita gente ainda não sabe o que fazer com seus carros velhos. Aqueles que estão caindo aos pedaços, alguns passando dos 30 anos de uso, são destinados aos ferros velhos quando enfim chega a hora de descartá-los. Mas desde 2014, esse quadro vem mudando exponencialmente aqui no Brasil com a reciclagem de carros.

Não há um número oficial e nem sequer uma estimativa de quantos veículos são reciclados no Brasil por que muitos que chegam até as empresas de reciclagem não são devidamente registrados. Só para se ter uma ideia, existem cerca de 52 milhões de carros circulando diariamente pelo país, algo em torno de um veículo para cada quatro habitantes.

Mercado saindo da irregularidade

Até 2014 o destino desses veículos certamente seriam os ferros velhos, lixões ou seriam transformados em sucata em desmanches. O mercado de compra e venda de peças usadas não é novidade no país, ele já existe a bastante tempo, mas sempre esteve ligado ao comércio ilegal ou informal.

Em sua grande maioria, as peças fornecidas nesse mercado eram de veículos roubados. Mas a partir da criação da Lei do Desmanche no Estado de São Paulo, que posteriormente tem se expandido para todo território nacional, o cenário tem mudado ano após ano com um mercado que saiu da clandestinidade e cresce cada vez mais.

Empresas especialistas apenas na gestão de usados chegam a um nicho de mercado que vem ganhando bastante espaço e adeptos. No Brasil, a economia que esse negócio gera, movimenta uma cadeia de produção e fornecimento de material que atende desde grandes empresas veiculares até os donos de automóveis particulares.

Reciclagem de carros

Entendendo o processo de reciclagem

O sonho de consumo de milhões de pessoas pode ser reaproveitado. Um dos locais onde um automóvel pode encontrar a chance de ser útil novamente é nas empresas de reciclagem, que são responsáveis pelo desmonte dos carros condenados que chegam até elas através de acordos com seguradoras, através de compras dos veículos em leilões, ou até mesmo renovações de frotas de carros de prefeituras ou polícia militar.

Nesses casos, os veículos possuem documentação regular que facilita todo o processo de compra, desmontagem e reutilização das peças.

Os processos são curtos e em cerca de três horas ou até menos, o carro é desmontado por completo e suas peças são separadas. O processo de desmonte começa por uma análise completa da regulamentação e licenciamento dos veículos que chegam até as empresas de reciclagem de carros. Isso evita que os carros que chegam até as empresas sejam adquiridos de maneira irregular, podendo gerar autuação e multa.

Chegando na área de armazenamento desses veículos, o processo de desmontagem dos automóveis segue retirando as peças. Durante a desmontagem, alguns componentes contêm fluidos inflamáveis que precisam ser limpos antes mesmo de sua desmontagem.

Por diversas questões de segurança, os fluidos que necessitam de remoção para dar prosseguimento a desmontagem são:

  • Restos de combustíveis dos tanques e nos filtros;
  • Óleo lubrificante do reservatório do motor;
  • Óleo hidráulico dos sistemas de freio e de direção;
  • Gás do sistema de ar-condicionado (quando houver).

Sem essa drenagem o desmonte não pode ter prosseguimento por conta dos riscos inflamável que esses fluidos proporcionam. Após a limpeza concluída, ai sim, é possível desmontar os tanques e reservatórios com total segurança.

Desmonte do motor

Uma das peças de maior importância para as empresas de reciclagem de carros é o motor. Ali, se encontrado em um bom estado para revenda, pode-se conseguir um lucro bastante elevado. Por isso mesmo, o processo de desmontagem até a colocação do modelo para revenda passa por seis etapas:

O primeiro deles é a descontaminação total dos fluídos e periféricos do motor. Assim como é procedimento padrão a limpeza dos fluídos de todo o carro, o motor também necessita dessa atenção especial. Afinal de contas ali é onde se concentra boa parte desses líquidos que podem comprometer a segurança da equipe de desmontagem.

Depois disso o motor com todos os seus agregados é retirado da carroceria. Ele vai para uma bancada onde serão extraídos os seus subcomponentes, como o alternador e motor de arranque. Abre-se então o motor em três partes, o bloco, o cabeçote e o cárter.

Nesse momento o motor é desmontado por completo, e são extraídas todas as peças como pistão, válvula de escape e árvore de comando de válvulas, guias e sede das válvulas, porcas, as molas, bucha do balancim, parafusos reguladores, mancais, tuchos, bronzinas, compensadores de massa, ente outros.

Na próxima etapa as peças que ainda podem ser reutilizadas são separadas, e aquilo que não pode ser reaproveitado vai para a área de descarte. Escolhidas as peças, elas passam por um processo de lavagem e higienização para enfim esses produtos serem comercializados.

Reciclagem de carros

E o restante?

Pelos cálculos das montadoras, um veículo pode produzir cerca de 240 quilos de resíduos, ou seja, materiais que não eram reaproveitados. Portanto após o processo de desmontagem, onde recolhe-se as peças que ainda serão reutilizadas, os carros não são descartáveis e terão um destino certo. Uma recicladora de metais faz o trabalho de fragmentação da sucata chegam cortados em pedaços dos desmanches credenciados.

Escavadeiras com garras levam todo o tipo de sucata para um equipamento de fragmentação de grande porte que e capaz de triturar carros inteiros. Uma esteira leva essa sucata para um triturador que picota toda a sucata em pequenas partes.

Em poucos minutos o que era um automóvel fica irreconhecível. Pedaços pequenos de ferro retorcido já possuem um destino certo. O material já sai dos trituradores pronto para uso, que será levado para siderúrgicas para ganhar produtividade.

A trituração de sucatas permite a recuperação de 45% a 55% dos materiais existentes nos carros, representando aproximadamente dois terços dos materiais metálicos de um automóvel novo. O material reciclado pode se tornar matéria-prima para a fabricação de novos carros ou produtos diferentes.

Reciclagem como meio sustentável

Além de retirar do meio ambiente esse material para reutilização, a sucata possui uma energia contida muito grande. Gasta-se muito menos energia para fazer aço a partir desse material do que do minério de ferro. Portanto além de rentável, a reciclagem de carros também é boa para o meio ambiente.

Comentar

Clique aqui e deixe seu comentário

Carros 2019: Confira os principais lançamentos

Recurso de multas