Início » Todos os posts » Mercado » Reciclagem de caminhões é cada vez mais comum no Brasil

Reciclagem de caminhões é cada vez mais comum no Brasil

A reciclagem de veículos ainda é algo pouco comum aqui no Brasil, mas é um tema que merece discussão. Ainda mais em tempos em que as indústrias não param de prever crescimento na produção e nas vendas de veículos. Além de colocar muitos carros na rua, também é preciso pensar no que fazer com eles quando ficarem obsoletos. Uma ideia que começou lá fora, e hoje em dia está trazendo ótimos resultados e benefícios, é a reciclagem de caminhões.

Recolher aquilo que não serve mais e transformar em algo útil novamente, esse é o princípio básico da reciclagem. E no caso dos veículos, esse processo alimenta uma imensa cadeia de reposição de peças e reaproveitamento de materiais, trazendo inclusive, benefícios diretos ao meio ambiente.

Mesmo sendo um veículo de longa durabilidade, com cerca de 10 a 15 anos de vida útil, e aqui no Brasil ainda é muito comum encontrar caminhões rodando por mais tempo, chega um momento em que não há mais como evitar. E ai entra em cena as empresas de reciclagem de caminhões, que antigamente eram conhecidas como “desmanches”, mas por ter esse nome associado com uma instalação ilegal, evita-se o termo.

Um caminhão pode ter centenas de quilos de material que podem ser reutilizados, já que além da reutilização tradicional das peças, pneus que não servem são transformados em matéria-prima para fabricação de asfalto, já óleos e fluídos são refinados e reutilizados. Costuma-se dizer que nada de um caminhão se perde.

Reciclagem ao redor do mundo

A Lei de Reciclagem de Automóveis, que entrou em vigor em 2005 no Japão, exige que os fabricantes coletem, reciclem e manipulem adequadamente três classes de materiais resultantes do tratamento de veículos em fim de vida: resíduos de trituradores automotivos, airbags e fluorocarbonetos.

É comum encontrar na Europa ou nos Estados Unidos empresas que se especializam na desmontagem e reaproveitamento de peças de caminhões. Isso impacta diretamente no transporte rodoviário, que se torna muito mais barato em alguns países.

O objetivo da remanufatura de caminhões é economizar 50% do custo de um veículo novo. As implicações são particularmente significativas para os proprietários de frotas. As grandes empresas podem possuir milhares de caminhões e a economia pode chegar a milhões.

Reciclagem de caminhões

Adquirindo os caminhões

As empresas que prestam esse tipo de serviço precisam ficar de olho em tudo. É importante ressaltar que na maioria das empresas de reciclagem de caminhões, os veículos que chegam para o processo de desmonte e reciclagem das peças, são em sua maioria adquiridos através de leilões, portanto possuem a documentação absolutamente regular.

Quando não são adquiridas através de leilões, outra opção bastante viável é a de reaproveitar as peças de caminhões batidos e danificados. O veículo passa por uma inspeção, e se o volume de peças reutilizáveis compensar os gastos, as empresas investem na compra do caminhão danificado.

Além disso as aquisições são feitas tanto de veículos particulares como os de frota, visando sua renovação, ou ainda de caminhões de seguradoras. No caso dos caminhões de frotas, que chegam em perfeito estado, a venda das peças separadas é mais lucrativa do que a venda do veículo em si, que perde muito o valor de mercado.

Como é o processo de reciclagem de caminhões

Apesar do tamanho, são necessárias poucas horas para desmontar completamente o veículo. Tudo começa com a retirada completa da cabine, as partes mecânicas e também os fluídos. Após o processo de desmonte, cada peça é lavada e verificada para, enfim, saber qual o nível de qualidade e reaproveitamento ela se enquadra.

Neste caso, costuma-se dividir as peças em três categorias de nível A, B e C.

  • Nível A: neste nível se encontram as peças que estão em perfeito estado de conservação;
  • Nível B: As peças que sofreram avarias leves, mas que podem ser reparadas e revendidas posteriormente por preços mais em conta;
  • Nível C: por fim, nas peças classificadas aqui, estão aquelas que não funcionam mais e são consideradas sucatas e devem ser devolvidas ao fabricante, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

E na prática, a grande variedade de peças, de diferentes modelos, beneficia de maneira direta o setor de reposição, que encontra nas peças usadas uma alternativa de bons negócios. As peças usadas custam em média 50% do preço de uma peça nova no mercado. Além do próprio custo, uma outra vantagem para o consumidor é a disponibilidade e variedade de peças que ele encontra.

A partir do momento em que um caminhão é desmontado por completo, essas empresas de reciclagem acabam sustentando em estoque peças que as distribuidoras consideram inviáveis. Muitas empresas já não fabricam algumas peças de determinados veículos por terem saído de linha, possibilitando o consumidor encontrar peças necessárias para seu caminhão apenas em empresas de reciclagem.

Reciclagem de caminhões

Impacto positivo no meio ambiente

Além da questão econômica, não há dúvida, existe também um indiscutível benefício ao meio ambiente, pois com o reaproveitamento da matéria-prima, outro passo extremamente importante também é dado, que é o de dar um destino correto aos componentes retirados desses veículos que não circulam mais nas cidades.

Esse é um problema sério que todas as grandes indústrias sofrem, e que é necessário um planejamento a longo prazo para poder ser solucionado. Mas por sorte as empresas de reciclagem de caminhões vem contribuindo para diminuir o impacto negativo no meio ambiente.

Todo cuidado é pouco

Peças novas que chegam a 50 mil reais no mercado são vendidas por 15 mil reais nas empresas de reciclagem de caminhões. Mas o consumidor deve se atentar e verificar se nessas peças constam com o selo do Detran de determinado estado, pois sem ele, há riscos de que a peça tenha sido adquirida de maneira ilegal.

Considerações finais

Esse mercado de reciclagem de veículos velhos ou batidos ainda é novidade no Brasil, tendo poucas empresas que se especializam na compra e revenda das peças. As próprias indústrias não tem uma política bem definida sobre reciclagem de veículos.

Entretanto é fundamental o trabalho realizado por essas empresas que reaproveitam e fazem a economia girar em torno de algo que se torna descarte para uns, mas que para outros é lucro.

Carros 2019: Confira os principais lançamentos

Recurso de multas