Início » Carros » Mitsubishi L200 Triton 2017: Nova geração não substitui a anterior

Mitsubishi L200 Triton 2017: Nova geração não substitui a anterior

A Mitsubishi L200 Triton 2017 chega ao mercado com um bom potencial. É verdadeiramente difícil para o modelo competir com outros nomes tão bem estabelecidos em um segmento tão competitivo. As mudanças e a situação econômica, no entanto, podem abrir espaço para novos testes – e parece que é nisso que o modelo aposta.

Mais atual e mais elaborada a L200 Triton 2017 apela mais emocionalmente do que antes. Bem equipada e tecnológica, conta com mudanças visuais e mecânicas para surgir em nova geração.

Saiba tudo sobre a Mitsubishi L200 Triton 2017:

Visual renovado e mais agressivo

Logo ao se enxergar uma Mitsubishi L200 Triton 2017, sabe-se que trata-se de um novo modelo que passou por mais do que um facelift. Sua relação com a grade parece mais profunda, e seus faróis mais longos parecem dar uma agressividade mais atual do que o modelo tinha até então.

Eles espicham-se pela lateral da picape, gerando uma certa imponência, e parecem conversar com as janelas laterais levemente inclinada. A “invasão” no corpo lateral também é replicada nas lanternas traseiras que, em menor proporção, invadem o corpo da picape.

Novo motor acompanha novo visual

Sob o capô, a troca de geração também pode ser observada. O propulsor é novo. Trata-se de um quatro cilindros a Diesel de 2.4 litros. Ele oferece até 190 cavalos de potência e admiráveis 43,8 kgfm de torque. O motor é mais leve e, supostamente, mais eficiente com o Diesel.

Ainda não há testes com metodologia oficial realizados com o modelo para definir se a informação realmente procede. Fato é, de qualquer forma, que trata-se de um bom motor bom o suficiente, ao menos no papel, para a picape.

Coexistência de gerações

Curiosa. Essa é, provavelmente, a melhor forma de se adjetivar a escolha da Mitsubishi para as mudanças do modelo. Em geral, a troca de gerações costuma ter um procedimento bastante padrão: o novo veículo chega ao mercado, o antigo sai.

No caso da marca, a ideia é manter as duas gerações do veículo rodando e sendo produzidas no Brasil. Com visual e motor antigos, a versão anterior ainda será produzida na fábrica de Goiás, em Catalão, com tabela de preços separada, mas não tão distante do modelo atual.

A Mitsubishi não deu muitas explicações sobre a motivação para a adoção da estratégia. Obviamente, não é sua função explicar-se para a mídia. É curioso, no entanto, que o faça. A marca sempre demonstrou certa autenticidade e coragem com seus modelos, e a opção pode ser um teste de mercado para avaliar o desempenho das gerações.

Bom conjunto de itens acompanha o modelo

Não é apenas o belo visual – elogio que pode ser replicado no ambiente interno – que chama a atenção de quem convive com o Mitsubishi L200 Triton 2017. O interior, além de bonito, carrega um bom conjunto de itens que não deixam nada a desejar em relação à concorrência.

Quem adquire a versão Sport HPE Top, por exemplo, conta com regulagem de climatização de duas zonas, diversos sensores – como de luz, chuva e estacionamento – bancos de couro e uma central multimídia de alta integração expressão na central touchscreen de sete polegadas.

Mecanismos auxiliares de tração e estabilidade auxiliam em diversos momentos da condução, especialmente inclinações. Além disso, os faróis de xenônio de fábrica garantem um conforto adicional para aqueles que precisam pegar a estrada com mais frequência.

Três versões montam a linha

A L200 Triton 2017 chega ao mercado com três versões diferentes: a Sport GLS, de entrada, a Sport HPE e a Sport HPE Top, melhor equipada e chegando com o valor em torno de 175 mil reais.

Apesar do motor igual em todas as versões, modificam-se opções como o câmbio (que parte, na versão de entrada, de um manual de seis marchas), tração e possibilidade de seletor de tração. Muda, ainda, é claro, a quantidade de itens e o tipo de material utilizado no acabamento de cada versão.

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas