Início » Carros » Corta-corrente: vale a pena instalar?

Corta-corrente: vale a pena instalar?

Defendido por alguns, condenado por outros, o sistema corta-corrente automotivo é uma ferramenta de segurança que impede que um ladrão fuja por uma longa distância com o carro roubado, se não ativar o botão da forma apropriada.

Não são poucos os casos de roubos que foram impedidos pela utilização do sistema. Geralmente, o ladrão aborda o motorista, pega a chave e tenta iniciar a fuga, mas percebe que o carro não liga, pois ele não utilizou a chave ou a ativação do corta-corrente. Então o infrator precisa abandonar o carro para não ser pego. O veículo é recuperado pela polícia e devolvido ao dono.

Alguns sistemas diferenciados, permitem um breve funcionamento do veículo antes que o motor seja interrompido e o ladrão precise parar e ir embora sem o carro. Nestes casos, especialistas em segurança apontam ser ainda melhor, pois evita a violência que pode ocorrer em função da frustração do bandido.

Quando se fala exclusivamente sobre segurança, parece óbvio que o sistema é uma boa opção para deixar o proprietário mais tranquilo em um caso de assalto, mas aí entra a discussão sobre o custo benefício do corta-corrente automotivo: o sistema prejudica o funcionamento do carro? Há prejuízos a longo prazo, com sua utilização?

corta-corrente

O que dizem os estudos?

Como modelos de carro raramente são equipados de fábrica com o corta-corrente, são poucos os estudos conclusivos sobre o desgaste elevado do carro ao utilizar o sistema de bloqueio automotivo.

No entanto, especialistas em eletrônica e mecânica costumam apresentar uma opinião equilibrada sobre o assunto. Andre Buss, com 15 anos de experiência em modificação de carros, afirma que o sistema é seguro desde que o condutor entenda as limitações que a modificação impõe a veículo:

“Se utilizar a chave do corta-corrente constantemente, é recomendado que o motorista deixe a chave do carro colocada sem dar a partida por alguns segundos antes de ligar”.

Segundo ele, carros que possuem muitos sistemas eletrônicos podem sofrer problemas de configuração enquanto o dispositivo de segurança estiver – como o próprio nome diz – cortando a corrente. O motorista, nestes casos, pode ligar o carro muito rapidamente, sem dar o tempo necessário até que todos os mecanismos estejam prontos para o uso, e perceber funcionamento ruim do veículo.

Para condutores que respeitam esta limitação, Andre aponta que o sistema não causa prejuízos para o carro, se for corretamente instalado, e pode ser uma boa ferramenta para a segurança do proprietário.

Corta-corrente ou rastreador?

Discussões a respeito do corta-corrente geralmente incluem outra dúvida: corta-corrente ou rastreador de veículos?

Enquanto o corta-corrente impede que o ladrão fuja com o carro, o rastreador permite que ele tenha sucesso inicial, mas grava sua movimentação e sua localização, sendo mais fácil informar para a polícia onde o carro está para que a recuperação seja feita.

No entanto, bons rastreadores costumam ter algum tipo de mensalidade para sua manutenção, ou fazem parte do pacote da seguradora, o que é um custo novo para aqueles que não haviam contratado o seguro.

Normalmente, o corta-corrente é uma opção mais em conta, mas deve ter suas limitações refletidas pelo proprietário, enquanto o rastreador compromete menos a rotina de uso do veículo.

Na prática, o melhor aparelho é aquele que passa mais confiança para o condutor, e o faça reagir de forma menos agressiva a um eventual assalto, colocando-o em risco muito menor.

1 Comentário

Clique aqui e deixe seu comentário

  • O ideal era ter um sistema de explosão com o ladrão dentro , garanto que mesmo o proprietário perdendo o bem com a explosão ficara muito mais feliz e ver o que aconteceu com o meliante.

Carros 2018: Confira os principais lançamentos

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas