Início » Leis de trânsito » Como é feito o cálculo do IPVA? Descubra agora!

Como é feito o cálculo do IPVA? Descubra agora!

A cada troca de ano, a preocupação dos proprietários de veículos renova-se – é hora de pagar o IPVA. O Imposto sobre a propriedade de veículos automotores é um dos mais presentes na vida dos motoristas, mas fazer o cálculo do IPVA é algo que nem todos os cidadão sabe.

Obviamente, o imposto já é cobrado com o cálculo realizado, sendo mostrado diretamente o valor final. Isso não quer dizer, no entanto, que você não precise saber como o cálculo é feito.

Pelo contrário: entender o cálculo do IPVA permite que você já saiba quanto será cobrado no ano seguinte. Isso faz com que você obtenha descontos que podem representar uma boa parcela da taxa. Em outras palavras, conhecer o cálculo do IPVA pode fazer você poupar dinheiro!

Aumentou seu interesse em conhecê-lo? Confira abaixo como é feito o cálculo do IPVA, e como estimar sua próxima cobrança:

Em primeiro lugar: o que é o IPVA?

Antes de entender como o cálculo é realizado, é fundamental saber o que é, afinal, o IPVA. O imposto sobre a propriedade de veículos automotores, como o próprio nome indica, é uma taxa obrigatória sobre o fato de de alguém possui um veículo automotor.

A justificativa para isso está no fato de um veículo utilizar vias públicas, além de consumir parte da estrutura das cidades e estradas. No entanto, ao contrário do que muitos podem imaginar, nem todo IPVA recolhido dos proprietários vai para infraestrutura de vias.

Cálculo do IPVA

Isso não quer dizer que o valor esteja sendo desviado ou algo do tipo. Metade da arrecadação é destinada para o estado e o município de registro, enquanto a outra metade é recolhida pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização de Profissionais da Educação.

Qual o valor do seu veículo?

Sabendo o que é o IPVA, é hora de começar a entender o seu cálculo. O primeiro passo para isso é saber quanto vale o seu veículo. Obviamente, este valor é relativo ao mercado de usados, uma vez que ele se enquadra na categoria.

Por isso, observa-se o valor venal do seu veículo. Valor venal é uma forma menos popular de dizer: confira a tabela FIPE! Nela, terá o ano e o modelo do seu veículo, e aquele preço base será utilizado no seu cálculo do IPVA.

Tabela de percentual por categoria

Sabendo o valor do veículo, tem-se metade das informações necessárias já obtidas. O próximo passo é saber a tabela de alíquotas por categoria. Esta tabela define quanto cada veículo deve pagar em relação a seu preço.

As alíquotas variam de estado para estado. Em alguns locais, a tarifa máxima é 2,5% – em outros, chega a quatro. É o caso de São Paulo, por exemplo, que cobra 1,5% de caminhões, como base mais baixa.

O próximo patamar inclui motocicletas, caminhonetes de cabine simples e veículos de transporte coletivo. Estes, devem pagar alíquita de 2%. Em seguida, é a vez dos carros.

Se forem movidos exclusvamente a GNV, eletricidade, ou álcool, pagam alíquota de 3% sobre a tabela FIPE. Se foram a gasolina ou forem flex, pagam 4% de seu valor total.

Possibilidade de desconto

Com o cálculo feito, ainda há motivos para diminuir o desespero. Quem paga em uma parcela única com antecipação, pode obter descontos significativos no valor. Neste caso, o desconto é realizado sobre todo o cálculo do IPVA.

Cada estado possui suas próprias regras de desconto para os proprietários. Procure pelo regulamento da sua unidade federativa para saber quanto você pode poupar no próximo ano.

Isenções

Melhor do que saber fazer o cálculo do IPVA, é ser legalmente isento de pagá-lo, certo?

Para isso, cada estado possui um regulamento. Geralmente, são isentos os veículos que possuem a partir de certa idade (entre 10 e 20 anos, via de regra). Informe-se sobre as condições, e descubra se você já pode utilizar a isenção.

Carros 2018: Confira os principais lançamentos

Acompanhe nossas atualizações

Recurso de multas